Como acontece uma cerimônia de casamento, sem conotação religiosa

A cerimônia de casamento, sem conotação religiosa, vem sendo muito utilizada por casais que pretendem fazer uma celebração de seu casamento, no mesmo local da recepção dos convidados, e não desejam levar um religioso para realiza-la, pelos mais diversos motivos.

Na foto um momento da cerimônia numa casa de festas. 

Foto Túlio celebrando casamento Nathalia Bottino e Thales

Entre as principais vantagens estão:

– Facilidade de deslocamento para todos os convidados, pois tudo acontecerá no mesmo local da festa;

– Baixo custo;

– Ter uma cerimônia personalizada pelos noivos; e

– Terem a possibilidade de fazer uma cerimônia de casamento, mesmo que os casais não tenham uma religião específica ou serem de religiões diferentes ou até mesmo divorciados.

Na foto abaixo, um dos momentos mais emocionante da cerimônia que é a entrada da noiva., num casamento realizado em um Clube em Buzios-RJ.

Foto casamento bilingue

A cerimônia normalmente é celebrada por um Mestre de Cerimônias atuando como Celebrante, com experiência comprovada e registro profissional no DRT do Ministério do Trabalho.

 O roteiro da cerimônia que poderá ser adaptado de acordo com entendimento entre os noivos e o Celebrante. Como exemplo, ela pode ser inteiramente personalizada com detalhes dos noivos, entre eles: A história de como os noivos se conheceram; um texto para ser lido durante a cerimônia falando do casamento, e da busca da felicidade, escolhido também pelos noivos; a troca de votos, com texto escrito por ambos os noivos,  para ser lida na cerimônia e ainda,  a escolha das músicas e cores das areias para o ritual do entrelaçamento das famílias.  Finalmente, a participação das famílias, representadas pelos pais dos respectivos, noivo e noiva.

Com duração de aproximadamente 30 minutos, tem no dinamismo do roteiro, o grande segredo para ser bonita, diferente e emocionante.

Abaixo uma foto da cerimônia de Julio e Sabrina Morgado numa praia no Grumari – Rio de Janeiro.

CIMG5165

About the author: Tulio de Pinho